Arquivo de novembro, 2010

A guerra no Rio e a legalização das drogas

Publicado: novembro 29, 2010 por leofilipealves em Assunto Polêmico

O Marcelo D2 publicou em seu twitter no dia 25/Novembro/2010 a seguinte frase em referência aos recentes capítulos da guerra BOPE vs traficantes no Rio de Janeiro:

“Há mais de 15 anos venho falando que essa guerra ia estourar..agora tem crianças dentro do complexo do alemão vamos meter bala em todo mundo?? legalizar nem pensar né? é melhor meter bala!!!!”

Ao me deparar com os recentes acontecimentos e contrabalançá-los com os meus valores cristãos eu fico em dúvida se a legalização de drogas hoje ilícitas não seria uma solução pra boa parte da violência que vivemos nesse país.

Por um lado, como cristão, acredito que Deus nos deu o livre arbítrio e, portanto, se uma pessoa quer se drogar, então que se drogue. O meu papel é só alertar para as conseqüências dessa atitude. Sendo assim, faria total sentido que eu fosse a favor da legalização das drogas, pois assim não existira mais confronto entre traficantes e polícia e o mercado de drogas seria como mercado de cigarro: usa quem quer, mas todos sabem dos prejuízos.

Por outro lado, como cristão, acredito que Deus quer que lutemos pela preservação dos valores morais em uma sociedade em constante degradação. Tomemos o exemplo da Holanda. Qualquer pessoa que tenha vontade de se depravar um pouquinho vai pra Holanda porque lá tudo é liberado. Eu não gostaria de ser um cristão em um país como esse.

Enfim. Eu realmente não me decidi se votaria Sim ou Não caso algum dia exista um plebiscito no nosso país para decidir sobre a legalização de qualquer droga.

O que você votaria??

Guilherme Marto

Os homossexuais, o Cristianismo e o Mackenzie

Publicado: novembro 25, 2010 por leofilipealves em Assunto Polêmico

O artigo abaixo não expressa a opinião de qualquer membro da Presbi nem de qualquer colunista no site. Ele foi apenas postado com o objetivo de continuar a discussão no último post sobre o artigo de Augustus Nicodemus, o novo projeto de Lei e o homossexualismo.

————————————————————————————————————————————–

“Não pode haver dúvidas de que o cristianismo representa o maior obstáculo à normalização do comportamento homossexual”.[1] Creio firmemente que a afirmação de Al Mohler está correta. Creio também que os homossexuais sabem muito bem disso. É por essa razão que eles voltam, repetidamente, sua artilharia contra os cristãos.

Duas palavras são perversamente usadas pelos militantes do movimento, visando atrair sobre os cristãos a reprovação da sociedade. Eles costumam falar em “tolerância” e “homofobia”. Rotulam os cristãos de serem “intolerantes” e “homofóbicos”. Sabem que tais rótulos odiosos colocam os crentes como os vilões que necessitam ser combatidos incansavelmente.

A última peripécia do movimento, como todos sabem, deu-se em reação a uma carta aberta que, desde 2007 (pasmem!) estava na página da chancelaria da Universidade Presbiteriana Mackenzie. Interessantemente, só agora eles perceberam isso. Acontece que, a carta, assinada pelo chanceler, Dr. Augustus Nicodemus Gomes Lopes, nada mais é do que um manifesto da Igreja Presbiteriana do Brasil, associada vitalícia da Universidade, contra a aprovação do malfadado PLC 122/2006. Não sei como, não consigo entender, mas os militantes conseguiram enxergar no documento o que eles chamam de “manifestação homofóbica”, ou seja, manifestação preconceituosa de ódio e agressão contra os homossexuais. Acontece que, qualquer pessoa sensata ao ler o documento não encontrará nenhuma incitação ao ódio e à violência contra os homossexuais.

Tudo isso faz parte de uma estratégia maquiavélica do movimento LGBT. O Dr. Albert Mohler discorre acerca do empreendimento homossexual. Após falar do Cristianismo como sendo o maior obstáculo diante do movimento, Al Mohler apresenta as táticas sugeridas por Marshall Kirk (pesquisador em neuropsuquiatria) e Hunter Madsen (consultor de relações públicas), que escreveram um livro intitulado After the Ball? How America Will Conquer Its Fear and Hatred of Gays in 90’s (Depois do Baile: Como a América Vencerá seu Medo e Ódio aos Gays nos anos 90):

Concebendo seu livro como “um manifesto gay para a década de 90”, os autores recomendam que os homossexuais se apresentem com outra postura, como cidadãos da cultura predominante que exigem tratamento igualitário, e não como uma minoria sexual promíscua que busca maior oportunidade e influência […]

Retratar os homossexuais como vítimas era essencial à estratégia deles. Oferecendo diversos princípios para o avanço tático em sua causa, os autores apelaram aos homossexuais que se apresentassem como vítimas da sociedade, e não como revolucionários. Se os heterossexuais vissem os gays como sofredores oprimidos, seriam eventualmente “inclinados por reflexão a adotar o papel de protetores”. Essa estratégia, eles disseram, poderia levar a algo semelhante à “conversão” da mentalidade do povo sobre a questão da homossexualidade. “O propósito do retrato de vítima é fazer os heterossexuais se sentirem incomodados”, os autores explicaram. No devido tempo, os heterossexuais poderiam cansar de sentirem-se opressores e chegar a simpatizar com os gays, sentindo-se até compelidos a ajudá-los a reverter a injustiça que a sociedade lhes infligira […]

As igrejas conservadoras [são] definidas pelos autores como “igrejas que odeiam os homossexuais”, são retratadas como “estagnadas e antiquadas, terrivelmente fora de harmonia com estes tempos e com as últimas descobertas da psicologia”. Outros princípios oferecidos pelos autores incluem o fazer os gays parecerem bons, por identificarem figuras históricas estratégicas como homossexuais secretos e, por outro lado, por fazer os “vitimadores” parecerem maus aos olhos da sociedade.[2]

Os homossexuais fazem amplo uso da tática aqui delineada (leia-se: DISSIMULAÇÃO!). O estereótipo homossexual vendido pela mídia é o de alguém oprimido, humilhado e marginalizado, cujos direitos mais básicos são negligenciados. Eles se apresentam como vítimas, sendo que, apresentam como sendo os piores algozes, os cristãos. Os pregadores cristãos são apresentados pelos encarregados de vender o “produto homossexual” como “histéricos e incultos, falando absurdos com ódio em um nível que chega a ser cômico e perturbador”.[3] Para reforçar o efeito catastrófico dessa tática, os militantes apresentam imagens comoventes de homossexuais, que parecem decentes, como inofensivos, amáveis e, consequentemente, oprimidos pelos pregadores histéricos. Alhures, Mohler diz o seguinte:

Os defensores do casamento homossexual estão fazendo pressão em favor de seu caso e, mesmo com barreiras políticas e legais administrativas, enquadraram a questão de modo que aqueles que se apegam a um conceito bíblico de casamento são colocados na defensiva, e os defensores das relações entre pessoas do mesmo sexo são retratadas como agentes da liberdade, do progresso e da inevitável evolução cultural.[4]

É exatamente esta imagem distorcida que tem sido apresentada pelos meios de comunicação. O presidente da comissão de direitos humanos da OAB afirmou que o texto do manifesto presbiteriano lembra “tempos da idade média”. Mas, que eu saiba, algo comum na Idade Media era a proibição da livre manifestação de pensamento. Isso sim é postura dos “tempos da idade media”!

Até hoje, não vi sequer UM cristão verdadeiro manifestar ódio em relação aos homossexuais. O contrário é que é verdade. Os homossexuais se superam na manifestação de ódio em relação aos cristãos! Basta observar algumas “manifestações” de militantes homossexuais em redes sociais, como o Twitter e o Facebook. A propósito, o Dr. Augustus Nicodemus teve que excluir sua página no Facebook. Ainda não sei as razões as últimas, mas não duvido que ele tenha sido vítima de bullying! O ponto, é que há uma diferença considerável entre os manifestos. Desafio qualquer um a encontrar uma única sugestão de ódio aos gays no documento assinado pelo Dr. Augustus! Por outro lado, ódio é o que mais existe em twitts e comentários feitos por militantes e simpatizantes!

Tudo, realmente, gira em torno de uma imagem que é vendida pela mídia corrupta! Como atrair o asco do populacho sobre os cristãos? Basta criar um rótulo odioso ou fazer uso de um já existente e aplicá-lo aos cristãos e a todos aqueles que, “protegidos” pela liberdade de expressão e pensamento, discordam do comportamento pecaminoso dessas pessoas. É para isso que serve o rótulo “homofobia”, criado pelo psicólogo George Weinberg, em 1971. A pobreza do argumento homossexual se vê a partir do significado etimológico do termo: “medo do igual”.

Se os homossexuais são pobres vítimas porque a Igreja discorda de suas práticas, não por preconceito, mas por obediência à Bíblia, segue-se, logicamente, que todos aqueles que vivem em adultério também são vítimas da opressão cristã? Por que não criam o termo “moixataifobia”?[5] E quanto àqueles que desfrutam de relações sexuais fora do casamento. Também são pobres vítimas do Cristianismo? O fato, é que como pontua muito bem meu amigo Gaspar de Souza: “é bom que se diga que está se criando no Brasil uma classe incriticável!”[6]

Quanto à “tolerância” reivindicada, afirmo apenas duas coisas: 1) Ela não pode ser de mão única. Aqueles que querem ser tolerados devem estar dispostos a tolerar posições contrárias firmemente embasadas! Mas, eles estão? 2) A tolerância não é uma virtude cega! Salvaguardados os devidos pressupostos, concordo com a afirmação do filósofo francês André Comte-Sponville: “Julgar que há o que seja intolerável é sempre dar prova de intolerância? Ser tolerante é tolerar tudo? A resposta, nos dois casos, é evidentemente não, pelo menos se quisermos que a tolerância seja uma virtude”.[7]

Devemos manter firme a nossa posição! Devemos demonstrar a mesma fibra dos santos do passado! Importa obedecer a Deus!

Ficam aqui o meu apoio e a minha solidariedade ao irmão e colega de ministério, Dr. Augustus Nicodemus Gomes Lopes: “Bem-aventurados os perseguidos por causa da justiça, porque deles é o reino dos céus. Bem-aventurados sois quando, por minha causa, vos injuriarem, e vos perseguirem, e, mentindo, disserem todo mal contra vós. Regozijai-vos e exultai, porque é grande o vosso galardão nos céus; pois assim perseguiram aos profetas que viveram antes de vós”(Mateus 5.10-12).

As dores de parto estão aumentando! Que aumentem! SOLI DEO GLORIA

Fonte: Blog Cristão Reformado

Assunto Polêmico

Publicado: novembro 22, 2010 por leofilipealves em Assunto Polêmico

Hoje um amigo jornalista me disse: “Com todo respeito, mas você viu o que o Mackenzie fez?” e eu sem saber nada do assunto fui pesquisar! (se você também não entendeu a pergunta dele, faça o mesmo que eu antes de ler este post).

Achei que como cristão e membro de uma igreja presbiteriana deveria apresentar minha opinião, já que não me senti representado pela manifestação de repúdio escrita pelo Rev. Dr. Augustus Nicodemus Gomes Lopes.

Em primeiro lugar, parece que as pessoas não leram o projeto de lei da qual estão falando. O projeto aponta como crime tanto a discriminação pela orientação sexual quanto a discriminação pela religião. O esquisito é que não vemos grupos GLSs pedindo liberdade para falar mal de crente. Não faz sentido supervalorizar os aspectos ligados a sexualidade, estamos fazendo uma leitura (mal) direcionada do texto.

Um segundo ponto me incomoda, começamos a falar do assunto só quando nos pareceu proibido falar. Desde quando as igrejas dedicam seus púlpitos para tratar de questões ligadas a orientação sexual? Este é um tema marginalizado pela igreja evangélica – ainda que amplamente discutido na sociedade. Não nos interessamos pelo assunto, a menos que seja para nos colocarmos como coitadinhos, ameaçados de perseguição e censura.

E o terceiro ponto, pra usar o método presbiteriano de apresentar as idéias, é hipocrisia quando o assunto é homossexualismo. Todos nós fomos educados a dizer “amamos o pecador, mas odiamos o pecado”. Isso não basta! Enquanto nosso amor não se traduzir em comportamento, eu não vou acreditar nesse discurso. Alguma vez você viu a Igreja Presbiteriana apresentar uma carta de repudio a violência praticada contra travestis? Alguma vez o Mackenzie fez um projeto para assistir jovens expulsos de casa porque eram gays? Se alguém souber me fale, por que infelizmente não encontrei nada sobre isso.

Pra terminar, gostaria de dizer que alguns evangélicos se comportam como se os GLSs fossem mais carentes da graça de Deus do que qualquer outra pessoa, inclusive eu e o Rev. Lopes. Alguém vai dizer, “eu tenho até uma amiga lésbica e oro muito pela conversão dela”, e eu digo “você ora da mesma forma pelo seu amigo casado com dois filhos e que também não tem a salvação?”. Precisamos mudar de postura, pois estamos cada vez mais parecidos com os religiosos do tempo de Jesus, prontos a julgar e muito acomodados no servir.

Victor Perez

 

ENEM Gospel

Publicado: novembro 18, 2010 por leofilipealves em Humor
Já imaginou se fosse realizada em nossas igrejas uma avaliação de como anda o conhecimento bíblico do povo cristão, através de uma prova tipo ENEM? Pois bem! Então, após as correções, obtivéssemos as seguintes respostas:
1. Definição de Trindade
  • “Trindade é o ensino de que Deus é uma pessoa que sai três dentro dele”.
  • “Ela ocorre quando Deus se manifesta como Pai, Filho e Espírito Santo”.
2. O que ensina a doutrina das penas eternas?
  • “Penas eternas é quando os salvos de lá do céu sentirem penas eternas daqueles que perderam a salvação”.
  • “Penas eternas só quem tem é a pomba que apareceu no batismo de Jesus”.
3. Quem são os anjos e quais são as classes ou categorias de anjos?
  • “Os anjo são seres com asas, que moram no céu, e se devidem em: anjo quero-bem, anjo serafim, anjo-da-guarda e anjo de luz”.
  • “Os anjos são criaturas maravilhosas, rápidos no agir e devagar no fugir.”
  • “Os anjo se dividem em duas categorias: Os bãos e os ruim. Os bãos são o Gabriel, o Miguel e o Peniel. Os mau são Satanaiz, os demônios, como o Trancarrua, Zé Pilantra, Exú Boiadeiro, e hetecétira.
4. Como o pecado entrou no mundo?
  • “O pecado entrou no mundo através duma serpente, que fingiu ser gente”.
  • “Discordo plenamente do meu colega ao lado, que acabou de escrever que foi através da maçã. Não foi maçã, mas foi outra fruta, chamada árvore do bão e do mau.”
5. Quem escreveu o Livro de Apocalipse e para quem?
  • “O livro de Apocalipse foi escrito por João Batista, na ilha dos Plátanos, para todo aquele que tiver ouvido e ouva.”
  • “Foi João, para as igreja da Házia menor.”
  • “Não se recordo se foi Primeiro João, Segundo João ou Terceiro João. Foi um deles. E ele escreveu para umas igrejas que estavam dando poblema naquela época”.
6. Defina Profecia.
  • “Profecia é a capacidade que os profeta tem de mesmo estando no passado falar do futuro.”
  • “A profecia é uma declaração do profeta que deixa o povo esperando para ver se vai acontencer ou não.”
7. O que você entende por calvinismo?
  • “Calvinismo é um problema que dá no coro cabeludo, deficiência esta que acaba resultando em careca”.
  • “Calvinismo é quando Deus seleciona os que vão para o céu, e é o oposto do arminismo, que Deus seleciona os que vão para o inferno.”
8. Por que Moisés não entrou na Terra Prometida?
  • “Porque ele bateu a vara dele com toda a força na rocha, saiu água demais e ele morreu afogado”.
9. Qual o nome dos doze apóstolos?
  • “Se não me falha a memória, foram Mateus, Marcos, Lucas, João, Atos, Pedro, Paulo, e Judas Iscarioca”.
  • “Só me lembro de seis: Dois Tiagos, Bartolomeu, Pedro, Céfas e Simeão. Mas apóstolo e ganho que ninguém vai lembrar os doze”.
10. Qual o nome que se dá aos evangelhos não reconhecidos pela Igreja como Inspirados?
  • “Evangelhos hipócritas”.
  • “São chamados de Livro de Mórmon” e “evangelho segundo o Ispiritismo”.
11. Quais são os ofícios de Cristo?
  • “Carpinteiro, e diga-se de passagem, um ótimo carpinteiro, melhor que o pai dele. E talvez soubesse fabricar vinho.”
12. Quais as formas de governo utilizadas pelas igrejas cristãs?
  • “Ditadura nas A D, Patriarcal no G-12, papai e mamãe na Renascer, franquia na presbiteriana,  imperial na episcopal, papal no catolicismo e anárquico nas batistas.”
13. Quais são os atributos de Deus?
  • “Os que não pertencem a César.”
  • “Os comunicavéis, como a fala, por exemplo, e os incomunicáveis, ou seja, que não podem ser comunicados”.
14. O que você entende por Escatologia?
  • “Puxa vida! Eu tinha posto esta matéria como uma das últimas coisas a ser estudada, mas não tive tempo.”
15. Defina expiação.
  • “Uma coisa muito feia que os curiosos fazem”.
  • “Expiação é o que os expiões, como Josué e Calebre, fizeram, ao expionarem a terra de Caanã.”
  • “Expiação foi o que Jesus fez na cruz: Expiou e entregou o espírito”.
16. Qual o significado da palavra Gênesis?

  • “Para começo de conversa, Gênesis foi o escritor do Livro que leva o seu próprio nome. Mas o significado, em si, significa origem.”
17. Onde Jesus foi batizado?

  • “Na água”.

18. Que ato divino libertou os Israelitas dos 430 anos de escravidão no Egito?

  • “O Rei Faraó do Egito que governava a nação egípcia, saiu correndo atrás de Moisés. Moisés atravessou o Mar Vermelho em terra seca, mas quando Faraó pisou na areia, veio água prá tudo lado que nem o cavalo dele conseguiu sobreviver.”

19. Como se deu a conversão de Saulo?

  • “O apóstolo Saulo estava indo para uma cidade, cujo nome não me lembro sei que é nome de fruta, quando derrepente uma lus brilhou no rosto dele. A voz disse: Saulo Saulo Saulo, de onde vens? E Saulo, já convertido respondeu: De percorrer a terra e de andar nela.”

20. Escreva o que você sabe sobre Timóteo?

  • “Era filho de Volóide, cujo filho era Timóteo.”
  • “Discípulo de Jesus que morou lá pelos lados da Grécia naqueles dias”.

21. Que seitas judaicas havia nos dias de Jesus?

  • “Farizeus, sadomasoqueus, filesteus e os jamorreus”.

22. Narre, em poucas palavras, o primeiro milagre de Jesus.

  • “Depois que acabou todo o vinho, que não tinha uma gota, ele multiplicou o vinho.”
23. Quais foram as atitutes de Pedro que o qualificavam como homem de personalidade impetuosa?

  • “Quando ele viu Jesus chorando, gritou: “Lázaro, anda e levanta!”
  • “Ele cortou as duas orelhas que o soldado romano tinha”.
  • “Pedro, na desfiguração de Jesus, quis subir no monte das oliveira para armar uma tenda para Jesus, Elias e Moisés”.
  • “Ele disse a Jesus: Antes que o galo cante, eu não te negarei três vezes”.

24. Como o Espírito Santo de Deus foi derramado no Pentecostes?

  • “De cima para baixo”.
  • “Uns fogo apareceu nas cabeça dos dicipro, que começarum a falar em linguas, assim: Odecantalabaxurianéviamalafalhaasúbia.”

O objetivo dessa matéria não foi brincar com a Palavra de Deus, mas criticar a falta de conhecimento daqueles que vivem rodopiando nas igrejas, acreditando nos embalos de sábado de manhã, que perdem o seu tempo com cultos a homens, em vez de usá-lo para crescer na fé.

Fonte: Genizah

A síndrome dos vampiros e dos líderes de jovens

Publicado: novembro 16, 2010 por leofilipealves em Mensagens

Existe uma síndrome que ataca os vampiros e os líderes de jovens com muita frequência, e se não tomarem cuidado vai matando de dentro para fora cada um deles.

A lenda conta que os vampiros, não necessariamente este estereotipo dos dentes afiados e sobretudo, e muito menos os que viram purpurina, precisam sugar a energia dos outros para manter-se vivos.

Com o tempo, se tornou comum afirmar que eles sugam o sangue, pois o sangue é o símbolo da vida e da morte.

Esta necessidade de se manter vivo e “eterno” que os vampiros tem, além de os tornarem figuras estranhas, com o passar do tempo, faz ele sofrer muito. Ele quer permanecer “vivo” para viver com quem ama, mas com o passar dos anos ele vê seus amores envelhecerem e morrerem.

Acredito que isso pode ocorrer com aqueles que tem ministério com jovens e adolescentes. Aqueles que trabalham com jovens, são muito parecidos com os vampiros, eles precisam entrar no mundo dos jovens, viverem o que eles vivem, assistir o que eles assistem, falar do jeito que eles falam.

Com o tempo, essa “energia” vai sendo sugada, rejuvenescendo e dando mais vida ao ministério desse líder. Mas o tempo é implacável, e depois de alguns anos, aqueles adolescentes, para os quais você deu sua vida, cresceram, e até casaram. Os seus companheiros e você mesmo ficaram mais velhos, e você acaba se sentindo um estranho no ninho, como alguém que não vive a sua geração.

A pergunta que não se cala é: meu chamado era para aquela geração e por isso devo seguir com eles em suas angústias e anseios, ou já cumpri meu chamado com esta geração, vou me reciclar (morder uns pescoços) e começar tudo de novo com outros jovens e adolescentes?

Não tenho uma resposta a esta pergunta, só sei que assim como os vampiros, é muito difícil viver sem esta resposta bem clara no seu coração.

Mas cuidado!

As vezes, no caso dos vampiros, a solidão e a angústia são tão grandes que para não perder o seu amor, em um gesto desesperador e egoísta ele morde quem ele mais ama para matá-lo e eternizá-lo para si mesmo e, colocá-lo na sua mesma angústia eternamente.

Líderes que matam a suas fases de vida por amor a um ministério com jovens acabam angustiados e matando as pessoas que eles mais amam!

Marcos Botelho